Fundos de Ações

Os fundos de ações são uma forma simples de investir na bolsa de valores, sem operar diretamente no pregão. 

 

Essa categoria de fundos deve ter pelo menos 67% do patrimônio em ações negociadas em bolsa ou ativos relacionados, como bônus ou recibos de subscrição, certificados de depósitos de ações, cotas de fundos de ações ou índice de ações, e BDRs (recibos de ações estrangeiras emitidos no Brasil).

São boas escolhas para diversificar o portfólio, e apresentam opções para vários perfis de risco. Há vantagens em relação a investir diretamente em ações, como gestão profissional, cobrança de imposto somente no resgate (no mercado à vista é mensal) e ausência de taxas de corretagem e custódia. E, ao contrário dos outros fundos de investimento, não há cobrança de come-cotas.

Os principais tipos de fundos são:

Passivos: também chamados de indexados, seguem uma alocação pré-determinada, buscando somente acompanhar uma referência, como o Índice Ibovespa, ou até uma ação específica.

Ativos: procuram superar o índice de referência, direcionando sua estratégia e operações para tal. Por isso, é comum terem custos operacionais maiores, refletindo-se nas taxas cobradas.

Dividendos: investem em ações de empresas boas pagadoras de dividendos, que apresentem dividend yield (taxa de retorno) elevado.

Small caps: devem ter, no mínimo, 85% do patrimônio em ações de empresas com baixa capitalização de mercado – ou seja, que não constem entre as 25 maiores participações no IBrX (Índice Brasil).  São empresas com maiores possibilidades de valorização. Os outros 15% podem ser investidos em ações mais líquidas, contanto que não estejam entre as 10 maiores representativas do IBrX.

Setoriais: aplicam em setores ou conjunto de setores da economia. A escolha deve estar explícita quanto a critérios de escolha e segmentos definidos.

 

 

Custos

Taxa de administração: é cobrada uma para toda aplicação em fundos de investimento. Assim são remunerados os administradores, gestores e cobertos os custos operacionais para a manutenção do fundo.

Taxa de performance: existe normalmente em fundos com gestão ativa, e é cobrada pela rentabilidade acima de um patamar previamente estabelecido.

Taxa de saída: cobrada caso o investidor resolva efetuar o resgate em um prazo inferior ao resgate previsto do fundo, se constar no regulamento.

 

Tributação

Nos fundos de ações, a alíquota de Imposto de Renda é fixa, de 15% sobre o ganho de capital (valorização).

 

Come-cotas

Não há cobrança de come-cotas.

 

IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) incide sobre operações com resgate inferior a 30 dias.

 

Como investir?

É bem fácil e rápido. O processo de abertura de conta leva apenas alguns minutos.

Para saber mais ou tirar quaisquer dúvidas, entre em contato com um dos nossos planejadores financeiros.

Converse com um especialista

Como aumentar a rentabilidade dos seus investimentos com a Selic em queda?

Como aumentar a rentabilidade dos seus investimentos com a Selic em queda?   Muitos investidores ficam em dúvida sobre o que fazer quando a taxa Selic está baixa. O cenário atual é da taxa em suas mínimas históricas – o que traz desafios para a rentabilidade de investimentos, em especial os da renda fixa. Já

Open Vista: diversifique seus investimentos em mercados globais

Open Vista: diversifique seus investimentos em mercados globais   Está buscando proteção para seus investimentos? Nos dias de hoje, investir em mercados externos, mais estáveis e seguros, pode ser uma opção interessante.   Instabilidade doméstica   Assim como em todo o mundo, sentimos os efeitos econômicos da pandemia: as previsões de queda do PIB brasileiro

ETF e fundos de investimento: quais as diferenças?

ETF e fundos de investimento: quais as diferenças? Quem começa a avaliar as alternativas disponíveis na renda variável vai se deparar, em algum momento, com os fundos de investimento e também com o ETF (Exchange Traded Fund). Mas, você sabe quais são as diferenças entre ETF e fundos? O ETF é um tipo de fundo,