Fundos Multimercados

São uma categoria de fundos para um investidor menos conservador, disposto a assumir certo risco em busca de retornos maiores.

 

Os fundos multimercado não têm a obrigação de compor a carteira com algum tipo de ativo, podendo inclusive utilizar derivativos para alavancagem ou proteção. Os gestores podem utilizar estratégias com mais autonomia – desde mais conservadoras até agressivas -, que constem no regulamento do fundo.

Aqui listamos alguns dos principais tipos:

Balanceado: utilizam um mix pré-determinado de diversos ativos, que deve ser rebalanceado no curto prazo, conforme a estratégia.  Não utilizam um único referencial, mas a classe de ativos com os quais são comparados devem estar claros. Não admitem alavancagem.

Macro: realizam operações direcionais com o objetivo de antecipar cenários macroeconômicos que afetem o preço de ativos, no médio e longo prazo.

Trading: exploram oportunidades de curto prazo no movimento de preço dos ativos.

Long & Short – Direcional: monta operações compradas (long) e vendidas (short) de ações, sem limite de exposição, e buscando lucrar com a diferença de

rentabilidade entre as duas posições.

Long & Short – Neutro: semelhante à anterior, mas com exposição limitada a até 5%.

Long Biased: não têm obrigação de montar posição vendida, podendo ficar totalmente comprado, apostando somente na alta do ativo. Está mais exposto à risco, mas possibilita ganhos maiores.

Juros e moeda: buscam retorno no longo prazo, aplicando em ativos de renda fixa atrelados a risco de juros, índices de preços ou moeda estrangeira.

Capital protegido: o objetivo é proteger o principal investido, embora também busque rentabilidade.

Investimento no exterior: devem possuir no mínimo 40% do patrimônio em ativos no exterior.

 

 

Custos

Taxa de administração: é cobrada uma para toda aplicação em fundos de investimento. Assim são remunerados os administradores, gestores e cobertos os custos operacionais para a manutenção do fundo.

Taxa de performance: existe normalmente em fundos com gestão ativa, e é cobrada pela rentabilidade adicional a um patamar previamente estabelecido.

Taxa de saída: cobrada caso o investidor resolva efetuar o resgate em um prazo inferior ao resgate previsto do fundo, se constar no regulamento.

 

Tributação

A cobrança de Imposto de Renda para fundos de investimento depende do prazo do investimento, sendo de curto ou longo prazo:

Fundos de Curto Prazo

São considerados de curto prazo aqueles cujo prazo médio seja igual ou inferior a 365 dias.

Fundos de Longo Prazo

São aqueles cujo prazo médio seja superior a 365 dias.

 

Come-cotas

O recolhimento do Imposto de Renda é feito semestralmente, no último dia útil dos meses de maio e novembro. Ele é calculado em cima do rendimento obtido em cada período, e é cobrado através de uma diminuição no número de cotas, equivalente ao valor financeiro do imposto. Por esse motívo, ele é chamado de “come-cotas”.

Na cobrança do come-cotas, o valor da alíquota utilizado é a menor de cada tabela correspondente (se for de curto prazo, 20%; longo prazo, 15%). E, no resgate, é retido o valor restante do período equivalente na tabela.

 

IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) incide sobre operações com resgate inferior a 30 dias.

 

Como investir?

É bem fácil e rápido. O processo de abertura de conta leva apenas alguns minutos.

Para saber mais ou tirar quaisquer dúvidas, entre em contato com um dos nossos planejadores financeiros.

Converse com um especialista

5 Opções de investimentos em renda variável para conhecer

5 Opções de investimentos em renda variável para conhecer   Os investimentos em renda variável costumam atrair a atenção de investidores que almejam aumentar suas chances de maiores rendimentos na comparação coma rentabilidade oferecida pela renda fixa. Contudo, ainda são muitas as pessoas que desconhecem as oportunidades disponíveis na renda variável. Neste artigo você acompanhará

Fundos de investimento: você sabe como funcionam?

Fundos de investimento: você sabe como funcionam? Se você deseja investir no mercado financeiro, já deve ter ouvido falar sobre os fundos de investimento. Contudo, talvez não saiba como eles funcionam e não conheça os principais tipos de fundos disponíveis para o investidor brasileiro. Essa modalidade de investimento atrai a atenção pelas características e facilidades

Fundos Imobiliários: quando vale a pena investir?

Fundos Imobiliários: quando vale a pena investir? Muitos investidores iniciantes e aqueles que utilizam modalidades de investimento para aportas dinheiro se questionam, muitas vezes, se vale a pena investir em fundos imobiliários (FIIs). Afinal, apesar de serem conhecidos por muitos, os FIIs podem gerar dúvidas – especialmente quanto às suas características. De fato, investir em

WhatsApp chat