Fundos de Renda Fixa

São fundos que devem ter uma porcentagem mínima do patrimônio em títulos de renda fixa, público ou privados.

 

Dependendo dos ativos e de sua política de risco, têm algumas classificações:

Simples: deve aplicar no mínimo 95% do patrimônio em títulos públicos federais, ou privados com o mesmo risco.

Referenciados: seguem a variação de um índice de referência, como o CDI ou índice de inflação. A carteira de ativos é composta por ativos que acompanhem esses índices.

Ativos: buscam superar um índice, e por isso a gestão possui maior liberdade para aumentar a performance.

 

Custos

Taxa de administração: é cobrada uma para toda aplicação em fundos de investimento. Assim são remunerados os administradores, gestores e cobertos os custos operacionais para a manutenção do fundo.

Taxa de performance: existe normalmente em fundos com gestão ativa, e é cobrada pela rentabilidade adicional a um patamar previamente estabelecido.

Taxa de saída: cobrada caso o investidor resolva efetuar o resgate em um prazo inferior ao resgate previsto do fundo, se constar no regulamento.

 

Tributação

A cobrança de Imposto de Renda para fundos de investimento depende do prazo do investimento, sendo de curto ou longo prazo:

Fundos de Curto Prazo

São considerados de curto prazo aqueles cujo prazo médio seja igual ou inferior a 365 dias.

Fundos de Longo Prazo

São aqueles cujo prazo médio seja superior a 365 dias.

 

Come-cotas

O recolhimento do Imposto de Renda é feito semestralmente, no último dia útil dos meses de maio e novembro. Ele é calculado em cima do rendimento obtido em cada período, e é cobrado através de uma diminuição no número de cotas, equivalente ao valor financeiro do imposto. Por esse motívo, ele é chamado de “come-cotas”.

Na cobrança do come-cotas, o valor da alíquota utilizado é a menor de cada tabela correspondente (se for de curto prazo, 20%; longo prazo, 15%). E, no resgate, é retido o valor restante do período equivalente na tabela.

 

IOF

O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) incide sobre operações com resgate inferior a 30 dias.

 

Como investir?

É bem fácil e rápido. O processo de abertura de conta leva apenas alguns minutos.

Para saber mais ou tirar quaisquer dúvidas, entre em contato com um dos nossos planejadores financeiros.

Converse com um especialista

Mais um corte na taxa de juros – poupança rendendo menos do que a inflação

Mais um corte na taxa de juros – poupança rendendo menos do que a inflação   Atendendo às expectativas do mercado, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou mais um corte de 0,75 ponto percentual na taxa Selic, de 3% para 2,25% ao ano – o oitavo corte seguido. Chegamos assim (novamente)

Como aumentar a rentabilidade dos seus investimentos com a Selic em queda?

Como aumentar a rentabilidade dos seus investimentos com a Selic em queda?   Muitos investidores ficam em dúvida sobre o que fazer quando a taxa Selic está baixa. O cenário atual é da taxa em suas mínimas históricas – o que traz desafios para a rentabilidade de investimentos, em especial os da renda fixa. Já

A taxa Selic foi reduzida para 3,0% ao ano. E agora?

A taxa Selic foi reduzida para 3,0% ao ano. E agora?   Em sua 230ª reunião, o Copom, Comitê de Política Monetária do Banco Central, decidiu reduzir a Selic, a taxa básica de juros, em 0,75 ponto percentual, de 3,75% para 3,00% ao ano. Chega-se, assim, ao menor patamar histórico, dentro de um ciclo de

A oportunidade do século: por que você deve considerar investir em ações agora?

A oportunidade do século: por que você deve considerar investir em ações agora? A pandemia global causada pelo novo coronavírus não gerou consequências apenas na saúde em diversos países do mundo. Ela também trouxe desafios econômicos, já que a principal medida de segurança utilizada para evitar o contágio foi o isolamento social. Com indústrias e

7 Motivos para não investir na poupança

7 Motivos para não investir na poupança Há muito tempo a poupança é a escolha mais popular de investimento entre os brasileiros. Apesar de não apresentar muitos atrativos em relação a ganhos financeiros, a facilidade de uso e a falta de conhecimento sobre alternativas no mercado financeiro mantêm a popularidade da caderneta. Contudo, suas desvantagens

A crise e os investimentos: tudo o que você precisa saber sobre o assunto!

A crise e os investimentos: tudo o que você precisa saber sobre o assunto! Um momento de crise econômica traz preocupações gerais em qualquer país. Afinal, governos, empresas e qualquer cidadão se sentem receosos com as consequências do problema e com o tempo que levará para uma completa recuperação. Há também um medo significativo entre